RSS

Simetria (im)perfeita

01 Out

*

*

“O início do sonho da ascensão ao Pico ia cumprir-se, a lua corria nos pinhais. Da base da ilha, a montanha erguia-se mansa, poucas nuvens, apenas se congregavam em montão num pequeno ponto cimeiro. A cerca de vinte e cinco quilómetros da Madalena, aí a uns mil e duzentos metros de altitude, a carrinha largar-nos-ia para partirmos a pé e viria buscar-nos no princípio da tarde seguinte. Eu ia tão contente que nem queria ver o que o luar exigia, fugindo a entregar-me, sem o conseguir, às notas habituais nos solavancos de transportes que me enlouqueciam a letra.

À lua de julho, pareciam tufos graníticos nas suas cintilações falsas os adornos peculiares da luz sobre os basaltos; os caminhos que não seguiam a direito como a estrada, a que chamam caminhos cortados, surgiam mais largos no entrearvoredo farto e rasteiro. Os faróis batiam sobre últimas grijeiras ainda não fugidas das bermas, adivinhavam-se os arcos de lava junto ao mar orlados de urzes vulcânicas, em talha preta, como que ensinando ímpetos para furnas cimeiras e, mais alto, o espaço que deve ser (nem eu imaginava quanto) dolorosamente livre e encerrado.”

(Joaquim Manuel Magalhães, Do Corvo a Santa Maria, 1993)

Anúncios
 
Deixe o seu comentário

Publicado por em Outubro 1, 2011 em Pico

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: